Ministro diz que a "escola moderna" deve ensinar que a "vida não é só alegria"

23-OUT-2014

O ministro da Educação admitiu, esta quarta-feira, que a "escola moderna" é aquela que ensina que a "vida não é só alegria", sublinhando que o futuro do país passa pela qualificação e pela ciência.
"O país precisa de toda a gente qualificada, o nosso futuro é de certeza pela qualificação, pela educação e pela ciência", admitiu o ministro Nuno Crato, durante a inauguração do novo centro educativo das Lagoas, em Ponte de Lima.

Este novo centro educativo, descrito pelo ministro como exemplar, custou 4,7 milhões de euros e recebe 270 alunos, depois de encerradas as escolas do ensino básico nas freguesias de Cabração, Estorãos, Moreira, São Pedro de Arcos, Fontão, Bertiandos, Sá e Santa Comba.

"A escola moderna é onde se aprende, onde se respeitam os professores, é a que tem metas claras de aprendizagem, onde se avalia, onde se ensina os jovens que a vida não é só alegria, a vida é muito trabalho", sustentou Nuno Crato.

Em declarações aos jornalistas, o ministro sublinhou, contudo, a necessidade de as escolas formarem pessoas "mais bem preparadas", nomeadamente para "enfrentar a vida", mas enfatizou que, apesar das dificuldades, Portugal "precisa de todos os jovens, de todas profissões".

Em Ponte de Lima, ao contrário do período da manhã, no qual o ministro foi recebido em Vila Verde por uma dezena de professores em protesto, não se registou qualquer tipo de manifestação.

Segundo números divulgados pela autarquia de Ponte de Lima (CDS), nos últimos oito anos foram investidos 27,2 milhões de euros na construção de onze centros educativos, que levaram ao encerramento de 56 escolas, num reordenamento escolar que mobilizou cerca de 2320 alunos do ensino básico.

Em 2013, o reordenamento do ensino básico ficará concluído com a prevista inauguração do centro educativo de Ponte de Lima, já em construção por 2,5 milhões de euros, na sede do concelho.

Além dos 12 centros educativos, em 2013, conforme a carta educativa do concelho, continuarão em funcionamento as escolas básicas do primeiro ciclo de Rebordões-Souto, Poiares e Cabaços.


  • Partilhar